Criticas aos crudivoros

Quando criticam esta alimentação dizendo que não temos provas cientificas, quem o diz, esquece que também não tem provas do contrário. Temos sim provas de gente que a pratica há muitos anos, alguns deles médicos como é o caso do Dr.Doug Graham (20 anos a comer crus).

A ciência financiada pelas industrias alimentícias e agrícolas de produção massiva só serve para nos enganar pois os estudos são encomendados muitas das vezes só para nos jogar “areia para os olhos” – e coitados dos cientistas que apresentem dados contrários…

No fundo ninguém pode falar de uma experiência ou conhecimento sem antes ter experimentado…


Dr. Douglas Graham, um atleta toda a sua vida e durante 20 anos crudivoro, é conselheiro de atletas e instrutores de renome mundial. Trabalhou profissionalmente com os melhores atletas de quase cada todos os desportos e com artistas famosos, includindo nomes como a legenda Martina Navratilova do tênis, o jogador de basketbal profissional do NBA Ronnie Grandison, o corredor olimpico Doug Dickinson, a jogadora de futebol feminino profissional Callie withers, o campeão bodybuilder Kenneth G. Williams, o autor do livro “Chicken Soup for the Soul” Mark Victor Hansen, Hansen, e a actriz Demi Moore entre outros.

Proprietário de um centro de jejum em Florida Keys há dez anos, o Dr. Graham supervisionou pessoalmente milhares de eventos de desintoxicação.

Trabalhou na área profissional como chiropata durante vinte anos, antes de se aposentar e focar mais o seu trabalho em escrever e dar conferencias.

Reconhecido como um dos pais do movimento cru moderno.O Dr. Graham é o autor de muitos livros sobre alimentos crus e saúde includindo “The High Energy Diet Recipe Guide”, “Nutrition and Athletic Performance”, “Grain Damage”, e os livros seguintes, “Prevention and Care of Athletic Injuries” e “The 80/10/10 Diet”. Compartilhou as suas estratégias para o sucesso em mais de 4.000 apresentações em todo o mundo.

O Dr. Graham serviu na direcção da Associação Internacional de Higienistas Naturais Profissionais e na direcção da Sociedade Natural Americana de Higiene. É um fundador e está servindo actualmente o seu terceiro mandato como presidente da Healthful Living International, a única organização natural internacional de higiene do mundo. Está na direcção da Voice for a Viable Future, Living Light Films, Vegetarian Union of North America, e EarthSave internacional e serve com oconselheiro de nutrição para a revista Exercise, For Men Only. O Dr. Graham é também conselheiro de crus para VegSource.com, o maior Web site vegetariano da na Internet. Fez a formação dos educadores de saúde no Instituto Hippocrates, servindo os seus conhecimentos como base para a revista Harmonious Living, e é o autor de uma coluna da revista Get Fresh! e Living Nutrition.

Dr. Graham (DG) Responde ao Dr.Andrew Weil (AW) sobre uma dieta de Alimentos Crus

Artigo publicado no site Raw Health and Fitness Traduzido e adaptado por Luis Guerreiro

»»

Recentemente, o Dr. Graham foi pedido para responder ás preocupações de Andrew Weil Alimentação Crua. Não é uma prática tipica do Dr. Graham responder a tais pedidos mas foi feito por um caro amigo. Devido à novidade desta occurrencia a discussão está aqui para todos.

AW: Eu não sou um proponente da dieta crua dos alimentos. Primeiro quando você come tudo cru, você perde muito dos melhores sabores, textura e aparência do alimento

DG: Isto está completamente errado. O melhor sabor está no alimento cru e fresco. Sabores concentrados são criados cozinhando, claro, e os sabores são pervertidos, naturalmente, daqueles criados pela natureza, aos quais nos habituamos e nos viciamos. Há alguma textura que não tenhamos no alimento cru? O que poderá existir que melhore a aparência do alimento quando este é cozinhado? Seja realista. Mas agora tem uma pretexto, baseado numa afirmação sem provas, e fá-lo proseguir.

AW: Mais importante, entretanto, é o facto que muitas das vitaminas e dos minerais encontrados nos vegetais estão menos biodisponiveis quando você come estes alimentos crus do que quando são cozinhados.

DG: Aproximadamente 1 em 10.000 nutrientes torna-se mais biodisponiveis quando cozinhado enquanto os outros 9.999 se tornarem menos disponíveis. Eu desafio o AW ou qualquer um a provar o contrário.

AW: Umas das outras desvantagens é o facto que muitas dos toxinas naturais presentes nas raízes,nas sementes, hastes e folhas comestíveis só são destruídas cozinhando.

DG: Eu vejo essas toxinas naturais nas plantas como indicadores fortes que essas plantas não são verdadeiramente alimentos para seres humanos. Certamente nas épocas antes de começarmos a cozinhar, estas plantas não foram usadas nunca como alimentos pelos seres humanos, e nós podemos passar completamente sem elas.

AW: Embora os nossos corpos tenham defesas naturais contra estas toxinas, uma dieta crua pode acrescentar peso à carga tóxica que já temos.

DG: E que defesas naturais os nossos corpos têm de contra as toxinas inumeráveis produzidas durante o processo da cozedura, especialmente quando 99.99% dos nutrientes nos nossos alimentos foram perdidos? Nós não temos nenhuma defesa natural contra os agentes cancerígenos criados pelo processo de cozimento, nem contra a subnutrição que acompanha o consumo de todos os alimentos cozinhados, nem de encontro ao desequilíbrio hormonal que dai advêm.

AW: A ultima palavra sobre dietas cruas vem de um estudo novo que mostra que os vegetarianos que comem somente alimentos crus têm uma massa óssea normalmente baixa, um sinal que podem ser vulneráveis a osteoporose. O estudo, publicado na edição de 28 de Março de 2005 dos arquivos da Medicina Interna (Archives of Internal Medicine), dizem que outros marcadores para a saúde óssea entre o grupo de crudivoros eram normais.

DG: Os crudivoros, na média, pesam significativamente menos do que as pessoas que comem alimentos cozinhados. Uma diferença de 20% no peso traduzirá eventualmente numa diferença de 20% na massa do osso, com zero de evidência estatística que isto é qualquer coisa fora do normal. Considerando isso, “dizem que outros marcadores para a saúde óssea entre o grupo de crudivoros eram normais” parecem apontar completamente o facto da massa mais baixa do osso entre crudivoros como um problema. Dito isso , lembro que o mesmo estudo que o AW consultou, foi feito numa amostragem incrivelmente pequena de crudivoros (27, eu acredito) e não havia quase nenhum parâmetro para falar no estilo de vida, nas actividades da aptidão, fisica, no rácio calórico-nutriente, ou no tempo a que os sujeitos se alimentavam com crus como critérios para determinar a validade das conclusões.

AW: Entretanto, o consumo de cálcio e de vitamina D era muito baixo (somente 579 mg de cálcio e 16 unidades de vitamina D por dia) entre os crudivoros comparado com 1.093 mg de cálcio e a 348 unidades da vitamina D no grupo de controle que comesse uma dieta americana típica.

DG: A produção de Vit D vem primeiramente (95% ou mais é considerado normal) da luz solar, não dos alimentos, portanto esta parece uma consideração pouco válida para cozinhar os alimentos.
Com aumentos do consumo de cálcio “na dieta americana padrão” decididamente não coincidem com os aumentos na densidade do osso (de fato, apenas o oposto) isto parece uma pobre indicação pouco convincente para atacar os alimentos crus. Parece sim uma razão para rejeitar alimentos cozinhados.
Mas o mais estranho é a teimosia de enaltecer “os factores nutritivos da dieta americana típica” e tentar denegrir o valor nutritivo do alimento cru. Que ridiculo citar os valores nutritivos de uma das dietas mais doentias do mundo num esforço de fazer a dieta mais nutritiente do mundo parecer inadequada de alguma maneira.

AW: O grupo crudivoro consumia menos calorias do que o grupo de controle e teve um índice da massa do corpo (IMC) calculado em média de 20 (na escala normal) comparados a 25 no grupo de controle. Se bem que este IMC soa saudável, 20 era a média, sugerindo que era mais baixa entre outros participantes do estudo, crudivoros. Aqueles com um IMC de 19.5 ou mais baixo correm o risco de uma densidade mineral baixa porque seus ossos não estão carregando peso suficiente, um factor que contribue para a força do osso.

DG: Nós começamos a ver as contradições a iluminarem-se aqui. O grupo crudivoro consumia poucas calorias e teve um IMC mais baixo, que levou à conclusão lógica que requereria, e demonstraria, uma densidade de massa mais baixa do osso.
De acordo com o argumento do AW, nós somos forçados agora a basear os nossos valores “normais” nos nossos valores “médios” nacionais (americanos), mesmo que não se relacionem de maneira nenhuma ao que é considerado mundialmente como valores “saudáveis”. De facto, parece que nos estão a pedir para basear os nossos “valores saudáveis” em estatísticas nacionais, sendo que apenas 0.5 em IMC é considerado um risco para a saúde significativo mas estar acima do IMC, como o americano médio está, deve ser simplesmente negligenciado. Eu acredito que é importante para os nossos conselheiros de saúde repensarem a estratégia.

O peso existe em relação à percentagem da gordura do corpo, do peso da água, e da massa do músculo. A maioria dos americanos tem músculos significativamente pouco desenvolvidos em consequência de um estilo de vida sedentário. Quando a gordura e a água adicionais são perdidas após ter começado a dieta crudivora, passam normalmente vários anos antes que as quantidades desejadas de massa do músculo possam ser ganhas. Os crudivoros totais, são menos gordos do que a maioria dos americanos, carregam menos peso de água, contudo são mais bem hidratados (na gordura sendo somente 5% de água, por peso, na média.) AW está apontando isto como sendo uma coisa má, contudo não há nenhuma evidência de nenhum tipo que indique que um nível da gordura de corpo superior a 10% para homens ou de 20% para mulheres sirva de benefício para a saúde, de nenhuma maneira, nunca.

Os ossos não necessitam ser mais fortes do que nosso peso requer. Basear a densidade “normal” do osso nos níveis da densidade do osso de americanos gordos parece incorrecto como uma avaliação válida.

AW: Este estudo recente adiciona a informação nova aos riscos presentes na dieta crudivora.

DG: Vindo de um amante dos cozinhados, gordo, é fácil compreender o esforço do AW tentar fazer alimentos crus parecerem-se com qualquer coisa à excepção duma panaceia da saúde. Apesar de tudo, seria interessante no meio de tanta contradição se sugerisse que os alimentos crus eram os melhores alimentos mas que escolhe simplesmente não os comer. Mas então, eu posso somente imaginar que todo o profissional de saúde sugeriria que o exercício físico é um elemento essencial da saúde total, no entanto a maioria ficaria completamente satisfeita vivendo com falta óbvia desse exercício.
O AW sugere outra vez que HÁ riscos na dieta crua, mas não menciona nenhum deles. De facto, anteriormente nos seus comentários indicou que teve agora um pouco de informação que o elucidou no eventual valor da dieta crua, mas tentado capitalizar na premissa falsa da falta de densidade/cálcio do osso. Assim, a validade total do argumento acima não são nada mais do que um “pingar no molhado”.

AW: De qualquer maneira, eu fui a alguns restaurantes crudivoros na costa leste e ocidental. O alimento era saboroso mas pareceu-me muito trabalhoso de preparar e tinha nozes demais.

DG: Eu poderia concordar com o AW pois muitas receitas cruas contêm nozes demais, mas certamente não posso usar esse facto como um julgamento para a dieta crua sendo assim o facto de que muitas receitas cozinhadas têm demasiadas gorduras seriam um bom motivo para condenar a dieta cozinhada. O facto de alguns chefs crus escolherem pratos elaborados – serve muitas vezes para demonstrar o lado artístico do seu ofício – certamente também não pode ser usado como uma condenação dos alimentos crus, que são notoriamente acessíveis e não requerem virtualmente nenhuma preparação a fim estarem deliciosamente prontos para consumo. Muitos cozinheiros (chefs) mainstream (normais) confiam também em preparações elaboradas a fim fazer os seus alimentos originais, artísticos, e saborosos.

1 Comentário »

  1. yashamil2 said

    O site do Dr. Graham:http://www.foodnsport.com/joomla/Interessante é que esse site tem tradutor para portugues e espanhol. Ao lado direito tem os links com as bandeirinhas (Portugal, Espanha, etc).Esse médico é autoridade em crudivorismo, vale a pena ler o site dele.

RSS feed for comments on this post · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: