Alho, nutrição e Saúde



O alho (Allium sativum) é um vegetal da família Liliacerae, sendo encontrado na forma de raiz. Seu bulbo, vulgarmente conhecido como cabeça, é constituído por vários dentes, os quais são empregados como condimento culinário e como medicamento há centenas de anos em todo o mundo. Este emprego na culinária o coloca em vantagem frente a outras ervas de efeito farmacológico conhecido e desejável, como o Ginkgo biloba, por exemplo.

Antigamente, no Egito, o alho era usado para remediar a diarréia e, na Grécia antiga, ele era empregado como medicamento no tratamento de patologias pulmonares e intestinais. Pesquisas recentes identificaram que o alho possui ainda diversas propriedades, dentre as quais se destacam as antimicrobianas, antineoplásicas, terapêuticas contra doenças cardiovasculares, imunoestimulatórias e hipoglicemiantes.

Pasteur relatou, em 1858, a atividade antibacteriana do alho, que tem sido confirmada por diversos autores até hoje. Em laboratório, mediante diluição em série, o extrato fresco de alho mostrou ser capaz de inibir o crescimento de 14 espécies de bactérias, entre as quais o Stafilococcus aureus, Klebsiella peneumoniae e Escherichia coli, que são bactérias potencialmente maléficas à saúde. Isto ainda se deu, mesmo usando o extrato de alho diluído 128 vezes.

Uma solução de 5% preparada com alho fresco desidratado mostrou atividade bactericida contra Salmonella typhimurium. Isto é atribuído à alicina, o componente chave da atividade antimicrobiana, que também é responsável pelo odor característico do alho. A atividade antimicrobiana do alho é reduzida com sua fervura pois a alicina é desnaturada durante o processamento térmico.

O alho ainda tem se mostrado capaz de combater o Helicobacter pylory, a maior causa de dispepsia, câncer gástrico e também de úlceras gástricas e duodenais. Foi observado recentemente que 2g/L de extrato de alho inibe completamente o crescimento do H. pylori. Os autores concluíram que este efeito bactericida pode contribuir para prevenir a formação de câncer gástrico.

Esta evidência foi comprovada num estudo epidemiológico efetuado na China, onde foi notado que: O risco de câncer gástrico é 13 vezes menor em indivíduos que consomem 20g/dia de alho em relação àqueles que consomem menos que 1g/dia. Em outro estudo, na Itália, foi observada uma correlação negativa entre o consumo de alho e o risco de câncer gástrico (risco relativo = 0,8). O efeito anticancerígeno do alho parece estar ligado à estimulação da enzima hepática glutationa S-transferase envolvida em processos de desintoxicação de muitos carcinógenos. A seguir, no quadro 1, podemos observar a composição centesimal do alho.

QUADRO 1 – “RAIO X DO ALHO”

ENERGIA

140 KCAL

Carboidratos 29,3g
Proteínas 5,3g
Lipídeos 0,2g
Fibras 1,66g
Potássio 400mg
Vitamina B 10,2 mg
Vitamina B 63,33mg
Vitamina C 31,1 mg
Ácido fólico 3,1mg
Cálcio 181 mg
Fósforo 150 mg
Ferro 1,7 mg
Cobre 0,26 mg
Zinco 8,83 mg
Selênio 24,9 mg

O que mais se destaca na composição nutricional do alho, são os altos teores dos elementos zinco e selênio, ambos metais antioxidantes. No organismo humano, estes nutrientes estão envolvidos tanto direta como indiretamente no funcionamento do sistema imunológico.

Diversos são os estudos que têm identificado baixos níveis sangüíneos tanto de selênio como de zinco, em pacientes portadores de patologias como a AIDS, onde o sistema imunológico encontra-se gravemente debilitado. A prescrição dietoterápica atualmente feita para tais pacientes preconiza o consumo de alho, entre outras coisas. Há estudos que apontam para uma atividade anti-viral do alho. Neste sentido, seu consumo também é indicado para casos de resfriado, gripe e nas viroses em geral.

A propriedade imunoestimulatória do alho está, também, relacionada à presença de substâncias encontradas no seu extrato (dialil trisulfito e dialil sulfito) que estimulam a imunidade de uma maneira geral (estimula a proliferação de células T e de citocinas produzidas por macrófagos). Neste sentido, estudos têm demonstrado que o alho atua estimulando tanto a imunidade humoral como a celular.

Outro efeito nutracêutico notável do alho está relacionado aos benefícios cardiovasculares que ele proporciona. O consumo regular de alho reduz o nível do colesterol sérico total, evita a agregação plaquetária e também possui atividade antioxidante, prevenindo aterosclerose e doenças cardiovasculares. Estudo canadense efetuado com homens moderadamente hipercolesterolêmicos (32 a 68 anos) mostrou que o consumo de 7,2g/dia de extrato de alho durante meio ano reduz em 5,5% a pressão arterial sistólica, em 7,0% o colesterol sérico total e em 4,6% o colesterol de baixa densidade (LDL).

A atividade hipocolesterolêmica do alho se deve à inibição de diversos passos enzimáticos da síntese hepática do colesterol e a um acréscimo na excreção de ácido biliar e de esteróis. Os componentes do alho alicina, alinina e S-alil sulfato exibem propriedades que inibem a agregação plaquetária. O efeito em rede de tais propriedades resulta na prevenção da aterosclerose e das doenças cardiovasculares.

Na prevenção de doenças, o alho também tem merecido destaque. Recentemente, um estudo epidemiológico efetuado em duas regiões distintas da China, uma que emprega o alho na culinária e outra que não o utiliza, mostrou que a região que usa regularmente o alho tem menores índices de morbidade e de mortalidade em relação à região que não utiliza o alho na alimentação.

Se não bastassem todos os benefícios à saúde aqui descritos, o alho ainda possui propriedades hipoglicemiantes. O extrato de alho mediante seu componente sulfóxido S-alilciteína, reduziu significantemente a glicose sangüínea. O mecanismo provável desta atuação se deve, ao menos em parte, ao estímulo à secreção de insulina pelas células ß do pâncreas.

Quadro 2 – Principais benefícios do consumo regular de alho na quantidade mínima de 8g/dia
Aumenta a longevidade

Reduz os riscos de infarto

Favorece o bom funcionamento do sistema imunológico

Reduz a glicose sangüínea

Reduz o colesterol DL (ruim)

Aumenta o colesterol HDL (bom)

Combate bactérias e vírus

Previne a aterosclerose

Previne o câncer

Melhora a qualidade de vida

Em resumo, os dados dos estudos apontam para diversos benefícios à saúde derivados do consumo regular do alho. Isto torna o alho uma especiaria extremamente atrativa de ser incluída no cardápio diário, não somente pelo seu aroma e sabor, mas também pelos seus benefícios medicinais.



PROFª KÉSIA DIEGO QUINTAES – NUTRICIONISTA
Docente do Centro Universitário
Adventista de São Paulo
Mestre em Ciência da Nutrição
Doutoranda em Ciência da Nutrição pela FEA/UNICAMP


Referencias:

ALDER, A. J.; HOLUB, B. J. Garlic and fish oil for reducing serum lipids and lipoproteins. American Journal of Clinical Nutrition, Bethesda, v. 65, n. 7, p. 445-450, 1997.

ARUOMA, O. I.; SPENCER, J. P. E.; WARREN, D.; JENNER, P.; BUTLER, J.; HALLIWELL, B. Characterization of food antioxidants illustrated using commercial garlic and ginger preparations. Food Chemistry, S.l., v. 60, n. 2, p. 149-156, 1997.

BLOCH, A. S. Pushing the envelope of nutrition support: complementary therapies. Nutrition, S.l.,

v. 16, n. 3, p. 236-239, 2000.

ESTUDO NACIONAL DE DESPESA FAMILIAR Tabela de composição dos alimentos. IBGE: Rio de Janeiro, 1977.

FRANCO, G. Tabela de composição química dos alimentos. Atheneu: São Paulo, 9 ed., 1992.

GRIMBLE, R. F. Modification of inflammatory aspects of immune function by nutrients. Nutrition Research, S.l., v. 18, n. 7, p. 1297-1317, 1998.

HEINERMAN, J. The healing benefits of garlic. Nutrition, S.l., v. 13, n. 2, p. 173-174, 1997.

OREKHOV, A. N.; GRÜNWALD, J. Effects of garlic on atherosclerosis. Nutrition, S.l., v. 13, n 7-8, p. 656-663, 1997.

PANTOJA, C. V.; MARTIN, N. T.; NORRIS, B. C.; CONTRERAS, C. M. Purification and bioassays of a diuretic and natriuretic fraction from garlic (Allium sativum). Journal of Ethnopharmacology, S.l., v. 70, n. 1, p. 35-40, 2000.

SIVAM G. .P. Garlic and Helicobacter pylori. Food and Chemical Toxicology, S.l., v. 5, n. 5, p. 582, 1997.

SATO, T.; MIYATA, G. The nutraceutical benefit, part IV: Garlic. Nutrition, S.l., v. 16, n. 9, p. 787-788, 2000.

Imagem: Wikipedia – Creative Commons


var nMaxPosts = 5; var sBgColor; var nWidth; var nScrollDelay = 175; var sDirection=”up”; var sOpenLinkLocation=”S”; var sBulletChar=”♥”;

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: